O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) identificou 50 pessoas que se supõe serem vítimas de exploração e constituiu arguidos dois suspeitos no âmbito de uma operação de combate a crimes de tráfico de seres humanos, divulgada esta quarta-feira.

A operação de combate aos crimes de tráfico de seres humanos, imigração ilegal e angariação de mão-de-obra ilegal na zona Centro do país decorreu na terça-feira, no distrito de Leiria, onde, sob a direção do Ministério Público, foram realizados “18 mandados de busca domiciliária”, divulgou o SEF em comunicado.

De acordo com o mesmo documento, as investigações “permitiram apurar a existência de um elevado número de cidadãos estrangeiros, maioritariamente comunitários, a trabalhar na atividade agrícola sem que a respetiva situação laboral esteja devidamente regularizada e a viver em condições pouco dignas, nalguns casos de insalubridade”.

Durante a operação “foram identificados cerca de cinquenta cidadãos estrangeiros, sem a respetiva situação laboral devidamente regularizada” e, de acordo com o SEF, encontrada uma “significativa quantidade de documentação, que reforça os indícios de exploração laboral” e “uma substancial quantia monetária na posse de um dos suspeitos”.

Na sequência da operação, foram constituídos arguidos dois cidadãos estrangeiros, suspeitos da prática dos crimes em investigação e estão em curso diligências “relacionadas com a adequada sinalização e referenciação de potenciais vítimas da atividade criminosa em investigação”, acrescenta o comunicado.

A operação do SEF foi desenvolvida ao longo de cerca de vinte horas e envolveu mais de três dezenas de operacionais daquele serviço.