"Estamos a falar de adultos que, ainda que sejam portadores de deficiências, não estão incapacitados a trabalhar. Queremos explorar as suas capacidades para que se sintam úteis, porque muitas vezes não encontram oportunidades de trabalho na comunidade", afirmou Cristiana Rodrigues.