A bactéria multirresistente do hospital de Gaia terá surgido em consequência do uso de antibióticos, é de rápida disseminação, transmite-se pelo toque, sobrevive na pele e no meio ambiente e desconhece-se a sua durabilidade, explicou fonte hospitalar.

“Não há período de incubação, ninguém sabe ao certo o período que [um paciente] se mantém colonizado [com a bactéria], há quem diga que é toda a vida e há estudos que dizem que é intermitente”, explicou à Lusa a coordenadora do Grupo Coordenador Local do Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobiano do Centro Hospitalar Gaia/Espinho.

Margarida Mota, responsável pelo controlo do tratamento antimicrobiano dos pacientes portadores da bactéria Klebsiella Pneumoniae do hospital de Gaia, referiu ser por isso mesmo que as recomendações vão no sentido de “perante um doente positivo, o melhor é considerá-lo positivo para o resto da vida”.

Os próprios familiares dos doentes portadores que já regressaram a casa receberam recomendações de “lavagem de mãos sempre que contactam com o doente”, tal como “o doente tem indicação de lavagem de mãos sempre que vai à casa de banho e sempre que procede à sua higienização”.

No centro hospitalar de Gaia foram identificados 30 doentes portadores da bactéria multirresistente, oito dos quais morreram sem que a causa possa ser atribuída diretamente à infeção e nove já tiveram alta.
 

“Aquela que suspeitamos que tenha sido a origem deste surto foi uma doente que estava internada com uma complicação pós-operatória na cirurgia. E chegámos a esta conclusão porque o primeiro caso era um doente que tinha sido admitido há pouco tempo” e partilhou a mesma unidade de pós-operatório, explicou a responsável.


Perante o quadro, o hospital considera ser muito provável que a bactéria se tenha desenvolvido como “efeito colateral da terapêutica com antibióticos” ministrada à primeira paciente que já estava internada há cerca de 50 dias e que já “tinha feito vários ciclos de antibióticos”.

Os dois doentes partilharam a unidade de pós-operatório no dia 29 de julho e o primeiro caso foi notificado a 07 de agosto, mas os restantes contaminados só começaram a ser isolados na última semana de agosto.
 

“Tivemos que desencadear procedimentos para caracterizar essa bactéria [o] que nos levou algum tempo porque não tínhamos técnicas para efetuar isso. Tivemos que adquirir técnicas e kits para classificar e foi quando verificámos que estávamos perante uma bactéria Klebsiella”, referiu.


Foi também no final de agosto que o hospital arrancou com os rastreios e análise do percurso de outros pacientes que começaram a apresentar sinais da “superbactéria”, tendo o último doente sido identificado no rastreio efetuado na passada sexta-feira.

Margarida Mota prevê que possam surgir “mais três ou quatro” doentes portadores da bactéria mas salientou que “numa equivalência à gripe podemos dizer que já atingimos o pico na semana passada e esta semana estamos a zero”.

Quanto aos 13 doentes ainda internados e portadores da bactéria, a sua saída “depende do quadro clínico, da doença que motivou o seu internamento e das condições sociais em que vivem”.
 

Novo contágio é "pouco provável" 


O Hospital de Gaia considerou também "pouco provável" o contágio pela bactéria multirresistente mas ressalvou que pode haver doentes por identificar.

“Quem entrar no hospital, é muito pouco provável que fique contaminado por essa bactéria” porque os portadores “estão nas zonas de alto risco e já foram rastreados” informou Margarida Mota. Mas acrescentou, porém, que “há sempre um ou outro que pode escapar”, assegurando contudo que “nas enfermarias onde deu caso positivo está encerrada a entrada a novos doentes até existir a certeza que não há mais nenhum caso”.
 

“Depois, são feitas as respetivas desinfeções em profundidade das enfermarias”, assinalou Margarida Mota, segundo a qual a desinfeção “já está a ser feita há algumas semanas”.


Questionada sobre a segurança em recorrer agora àquela unidade de saúde, a responsável respondeu: “É a altura ideal porque está tudo em alerta. Está tudo a tomar medidas preventivas, toda a gente a lavar as mãos”.