As imagens de crianças com doenças oncológicas a serem tratadas no Hospital São João levantaram uma enorme polémica sobre as condições existentes nesta, e noutras, unidades hospitalares.

Em declarações à TVI24, o bastonário da Ordem dos Médicos refere que as crianças "ficam em condições que não lembram a ninguém" e fez um apelo ao Presidente da República.

Esta é uma situação de crise na Saúde, ter crianças com doenças oncológicas nos corredores, sem privacidade, eventualmente acompanhadas pelos pais, também sem condições para o acompanhamento, é situação urgente para resolver. Deixo o apelo ao Presidente da República para visitar o Hospital São João, que visite as condições em que as crianças estão, que visite os contentores onde estão pediatras, crianças e familiares. Se ele o fizer, dará mais força a que alguma coisa mude". 

Miguel Guimarães define esta situação como "inaceitável" e diz não compreender como é que há 10 anos que a pediatria do São João funciona em contentores, não havendo verbas para cumprir o projeto de renovação desta ala: "Há dez anos, quando existiu o projeto para se fazer uma nova ala pediátrica na própria estrutura física do São João foram feitos os contentores, seria coisa para durar pouco tempo, e depois os miúdos, crianças profissionais de saúde passavam para dentro do Hospital São João. Apesar das promessas, feitas desde então quer pelo anterior ministro da Saúde quer pelo próprio, estas não têm sido cumpridas."

O bastonário diz que a situação chegou a um ponto intolerável, em que já são os próprios doentes, pais e familiares a queixarem-se, juntando-se à luta das ordens institucionais e profissionais: "Só um homem insensível como o nosso ministro da Saúde é que não compreende isto, nós não podemos estar capturados pelas Finanças. O responsável pela Saúde em Portugal é o Ministro da Saúde, ele tem de fazer alguma coisa. Quanto mais ele deixa acumular, mais o Serviço Nacional de Saúde se vai afundando e mais difícil é recuperar."

O médico vai mais longe nas críticas ao Ministro da Saúde, rejeitando culpa exclusiva do Ministro das Finanças:

O problema vem do Ministério da Saúde porque o responsável pela Saúde em Portugal é o Ministro da Saúde e não o Ministro das Finanças. O Ministro da Saúde se não tem autonomia para gerir aquilo que é o seu pelouro então não está a fazer nada. Não podemos estar todos capturados pelo Ministério das Finanças, nós precisamos de mais dinheiro para a Saúde, toda a gente o diz. O próprio Governo já deve ter entendido que é preciso mais dinheiro para a Saúde, não podemos continuar a deixar que se degradem as condições de proximidade para o Governo.

Miguel Guimarães elogia o facto destes casos se tornarem mediáticos porque "com esta enorme pressão que o Ministro e Governo vão tendo, acabam por resolver situações". Mas isso não desculpa este tipo de governação.

É péssimo que um Governo governe desta maneira, tem de ter mais bom senso nas verbas que dedica à economia e às finanças e à saúde e educação. Tem de haver mais equilíbrio, neste momento há um grande desequilíbrio entre as necessidades das pessoas no dia a dia e aquilo que estamos a fazer para tentar recuperar a dívida externa, para apostarmos mais nas finanças e economia." 

Esta manhã, e após a situação ser tornada pública, António Oliveira, presidente do Conselho de Administração do Hospital de São João, considerou que condições são "miseráveis" e "indignas" na Pediatria.

A situação deverá ser agora debatida no Parlamento, já que o PCP pediu a ida urgente do Ministro e da administração do hospital e o CDS já enviou 14 perguntas ao Governo sobre o tema.