A Administração do hospital Garcia de Orta, em Almada, prometeu para esta terça-feira uma solução para colmatar a demissão dos sete chefes da equipa do serviço de urgência, apresentada na segunda-feira.

Fonte da assessoria do Hospital Garcia de Orta adiantou à agência Lusa que «estão a ser feitas negociações por parte da administração para encontrar soluções que ainda hoje vão ser anunciadas, provavelmente ao final do dia».

Os sete chefes da equipa do serviço de urgência justificaram a demissão com a degradação das condições de trabalho e também com a excessiva lotação de doentes internados.

Reportagem da TVI mostra o caos nas urgências

Segundo a administração do hospital, já estão a ser tomadas medidas para «fazer face ao aumento nos internamentos», assim como outras iniciativas que «serão anunciadas hoje».

Questionada pela Lusa sobre se a demissão dos médicos vai afetar o funcionamento dos serviços de urgência, a fonte da assessoria explicou que a administração hospitalar compreende as necessidades dos médicos e que «serão tomadas medidas imediatas para resolver a situação».

A fonte admitiu a possibilidade de os médicos poderem vir a recuar no pedido de demissão, tendo em conta as medidas que vão ser tomadas.

«Não haveria [recuo no pedido de demissão] se as condições difíceis não fossem reversíveis, mas as condições são reversíveis», salientou a fonte, lembrando que a situação do aumento do número dos doentes é generalizada em todos os hospitais.

«Estas dificuldades neste hospital não são exceção. Há medidas que vão ser tomadas para resolver a situação», concluiu.