A polícia local de Granada, em Espanha, deteve um homem de 70 anos, por suspeitas de agressão com uma faca a um outro homem de 54. O idoso alegou que o agredido o tinha tentado assaltar, em plena luz do dia, no centro da cidade. As facadas, disse, foram apenas uma tentativa de defesa.

O homem de 54 anos teve de receber tratamento hospitalar por causa de cortes que sofreu nas mãos e na cara.

Contudo, após investigações, a polícia concluiu que, afinal, não se tinha tratado de uma tentativa de assalto. O idoso tinha, mais uma vez, tentado vingar a morte da filha.

A vítima diz que o agressor, sem antecedentes penais, o abordou na rua e esfaqueou-o de imediato. O agredido tentou defender-se e acabou por também provocar ferimentos no idoso, que teve também de ser hospitalizado. Ambos foram tratados e receberam alta no mesmo dia.

O homicídio de Anabel aconteceu há 33 anos. A menina esteve desaparecida durante vários dias, até que o seu cadáver foi encontrado numa quinta de Huétor Santillán, com sinais de abusos sexuais.

O homem não demorou a confessar o crime e foi condenado a 40 anos de cadeia pelo Tribunal de Granada. Foi condenado também a pagar o equivalente, na altura, aos atuais 12 mil euros à família da vítima. Mas declarou-se insolvente e nunca chegou a pagar. Saiu da prisão ao fim de 23 anos.

O pai de Anabel nunca superou a morte da filha. Esta foi a terceira vez que tentou vigar o crime. Numa outra vez, de acordo com o homicida de Anabel, o homem tentou atropela-lo no meio da rua. Noutra circunstância, golpeou-o na cabeça num bar.