A mulher de 58 anos que foi retirada de um carro que caiu ao rio Tejo, em Lisboa, na madrugada de segunda-feira, estava amarrada, confirmou fonte policial à TVI. As autoridades estão a investigar as circunstâncias em que ocorreu o incidente e a polícia suspeita de um quadro de homicídio-suicídio. 

As vítimas eram um sargento da Marinha na Reforma, com 60 anos, e de uma assistente técnica administrativa, de 58 anos, que exercia funções na Capitania do Porto de Cascais.

A Autoridade Marítima Nacional (AMN) publicou uma nota na página da Internet, onde lamenta o incidente e sublinha que o processo se encontra "em investigação, sob a alçada do Ministério Público". "Os motivos que levaram a viatura onde seguiam ter caído à água no rio Tejo, a Marinha e a AMN manifestam a sua consternação com o sucedido e informam toda a disponibilidade de colaboração no apuramento das circunstâncias em que ocorreu este acidente", acrescenta a AMN.

Não é ainda clara a relação entre as duas vítimas, mas há fontes que adiantam que teriam uma relação próxima há cerca de dois anos. Ambos eram divorciados. O homem tinha um filho e a mulher dois. 

O carro caiu ao rio Tejo, na Rua Cintura do Porto, em Lisboa, na madrugada de segunda-feira. O alerta foi dado às 03:22, por um grupo de jovens que se divertiam no terraço da discoteca Lux, na zona de Santa Apolónia, e que terão visto o carro cair ao rio. 

O incidente aconteceu numa zona de acesso condicionado, pelo que as autoridades estão também a tentar apurar como as vítimas conseguiram aceder ao local.