O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) mantém as ilhas das Flores e Corvo, nos Açores, sob aviso vermelho, estimando que a tempestade tropical Helene condicione o estado do tempo “nas próximas horas".

Prevê-se que nas próximas horas a tempestade tropical Helene condicione o estado do tempo, em particular nas ilhas do grupo ocidental [Flores e Corvo], pelo que poderão ser atingidos valores mais elevados da intensidade do vento, precipitação e agitação marítima”, adiantou o IPMA.

Às 18:00 dos Açores (mais uma hora em Lisboa), o centro do ciclone Helene localizava-se a 155km a oeste da ilha das Flores, deslocando-se para nordeste.

O ciclone Helene está classificado como tempestade tropical com vento médio de 110 km/hora e rajadas de 140 km/hora na sua zona mais ativa”, salientou o Instituto.

Segundo o instituto, até às 21:00, a rajada mais intensa tinha sido registada na ilha das Flores, com 96,5 km/hora.

Na ilha do Corvo, a precipitação acumulada em seis horas foi de 20 litros por metro quadrado e nas Flores de 15 litros por metro quadrado.

Quanto ao estado do mar, registaram-se ondas com altura máxima observada de 10 metros nas Flores e no Corvo, sendo a altura significativa das ondas de seis metros.

As ilhas das Flores e do Corvo estão sob aviso vermelho devido à previsão de agitação marítima, entre as 22:00 de hoje e as 00:00 de domingo, e devido à previsão de vento, entre as 22:00 de hoje e as 03:00 de domingo, passando depois a avisos laranja e amarelo até às 09:00 de domingo.

As restantes ilhas do arquipélago têm também avisos laranja e amarelo, relativos à precipitação, agitação marítima e vento.

De acordo com o presidente da Proteção Civil dos Açores, Carlos Neves, até às 20:00 não havia registo de ocorrências no grupo ocidental, tendo-se verificado apenas a queda de uma árvore na ilha do Pico, no grupo central, sem causar estragos ou feridos.

Esperamos que até à meia-noite a intensidade do vento e a agitação marítima na ilha das Flores e do Corvo continue a aumentar, com uma intensidade média que deverá atingir os 100 quilómetros, e poderá ter rajadas que poderão chegar aos 140 quilómetros, e alguma precipitação", antecipou.

A Proteção Civil recomenda aos habitantes que não obstruam estradas e linhas de água, não deixem objetos soltos, que fechem janelas e portas, não façam viagens durante o pico da tempestade e não fiquem na orla costeira.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, revelou que está a acompanhar a situação meteorológica nos Açores e apelou à "serenidade e resiliência dos açorianos".

Na página oficial da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa explicou que se mantém em contacto, desde sexta-feira, com o presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, e que confia "nas medidas preventivas desenvolvidas pelas autoridades do arquipélago".

Por causa da tempestade foram canceladas várias viagens entre ilhas, tanto de avião (SATA) como de barco (Atlanticoline), deixando em terra mais de uma centena de passageiros.