Governo lamentou este domingo a morte de três espectadores resultantes de um despiste no rally sprint de Guimarães, que feriu várias outras pessoas.

«As minhas palavras vão para as famílias, deixando um voto de profundo pesar pelo ocorrido. O desporto é um espaço de vida e é com grande tristeza que vimos esta manifestação desportiva associada a algo tão trágico como a perda de vidas humanas», disse o secretário de Estado do Desporto e Juventude, Emídio Guerreiro, governante natural de Guimarães.

Dois rapazes de 8 e 13 anos e uma mulher de 50 foram as vítimas mortais do acidente, sendo que o piloto que conduzia o carro acidentado foi levado para o hospital em estado de choque.

Os dois feridos graves foram para o Hospital de Braga e, de acordo com fonte da instituição, trata-se de um homem de 40 anos em «estado crítico» e uma mulher de 18 em estado grave, ambos a realizar exames de diagnóstico.

O acidente aconteceu na primeira especial do Rali Sprint de Guimarães, que ligava São Roque à Penha, um percurso que os pilotos iriam passar nos três troços cronometrados.

O acidente vai ser investigado pelo Ministério Público, adiantou no local a GNR, mas a organização da prova garante que estavam cumpridos todos os critérios de segurança.

Em declarações aos jornalistas no local, na zona da Penha, freguesia de Calvo, o responsável da sala de situação da GNR, capitão Adelino Silva, apontou ser «ainda prematuro» apontar culpas no acidente que, além de três mortos e dos dois feridos graves, provocou ainda três feridos ligeiros.

«É prematuro tecer algum comentário de culpabilidade do que aconteceu» pelo que, adiantou, «tudo irá ser averiguado em sede de inquérito» e «todos os factos irão ser comunicados ao Ministério Público que, em sede disso, pedirá novas diligências processuais», garantiu.

As circunstâncias nas quais se deu o despiste não são ainda claras havendo mesmo informações contraditórias quanto ao local onde estavam as oito pessoas vítimas deste acidente.