As farmácias denunciaram hoje que estão sem vacinas contra a gripe e que têm vários utentes em espera, devido à quantidade de doses fornecidas pelos laboratórios ser inferior ao necessário.

Em declarações à Lusa, a presidente da Associação de Farmácias de Portugal, Helena Castro Machado, afirmou que os 150 estabelecimentos que representa, bem como outras que não pertencem àquela associação, estão em rutura.

«Não há vacinas praticamente em lado nenhum a nível nacional. Não sabemos o que se passa. Os utentes não têm vacinas e nós não temos como os satisfazer», afirmou.

Segundo a responsável, antes do verão os laboratórios sabiam o número de vacinas que iam ser necessárias, mas «essa previsão não foi respeitada».

«Houve dois fornecimentos. No primeiro, no início do mês, só veio uma parte do pedido, mas com a garantia de que o restante chegaria até ao final do mês. Há dois dias chegou o segundo fornecimento, mas algumas farmácias só receberam metade do que precisavam e outras receberam apenas um terço», contou.

Helena Castro Machado afirma que têm vários utentes já em espera para receber a vacina, fora aqueles que ainda venham a procurar.

Outra fonte do setor disse à Lusa que ao todo terão chegado esta semana às farmácias cerca de 200 mil vacinas, mas que já estão praticamente esgotadas.

Contactada pela Lusa, Graça Freitas, da Direção-Geral da Saúde, afirmou que a última informação que tinha recebido do laboratório era de que havia 215 mil doses em Portugal prontas a ser libertadas e distribuídas pelas farmácias.