Os centros de saúde vão continuar com horários alargados até que o número de doentes que aparecem durante a noite seja residual, declarou  esta quinta-feira o secretário de Estado adjunto do ministro da Saúde.

As Administrações Regionais de Saúde (ARS), nomeadamente na Região de Lisboa e Vale do Tejo, tinham decidido alargar os horários de atendimento até ao dia 27 de fevereiro, devido à época gripal e para evitar o congestionamento dos hospitais.

«As indicações que matemos para os centros de saúde são de manter o alargamento de horário durante este período. Os dados epidemiológicos é que vão determinar o termo desse alargamento. A época gripal está a diminuir, mas manda a boa cautela que só depois de demonstrada a não necessidade da abertura é que ela eventualmente será reduzida».

Declarações do secretário de Estado Fernando Leal da Costa à Lusa à margem de um encontro para apresentar uma campanha sobre os malefícios do tabaco.

Segundo o governante, houve centros de saúde que chegaram a ter picos de 200 doentes urgentes por semana e atualmente já há afluências tão baixas como 10 doentes por semana.

A decisão final de manter o alargamento dos horários caberá sempre a cada unidade e às ARS.

A Direção-geral da Saúde tem apelado aos portugueses que apresentem situações clínicas menos graves para recorrerem aos centros de saúde ou utilizarem a Linha Saúde 24 a «fim de evitar o congestionamento» dos serviços de urgência hospitalares.