O bastonário da Ordem dos Médicos lamenta que o ministro da Saúde «pinte um quadro cor de rosa, que não é verdade» quando fala sobre o Serviço Nacional de Saúde. Em declarações à TVI24, onde esteve para comentar a greve de dois dias marcada para hoje e amanhã pela Federação Nacional de Médicos (FNAM), José Manuel Silva não poupou nas críticas ao ministro Paulo Macedo.

O bastonário não tem dúvidas que os doentes «percebem e entendem» a greve e que esta acontece por estar «em causa a qualidade dos serviços». «Os doentes esperam em macas horas e horas, essa é que é a verdade», acusa. Até porque, «o ministério não está a cumprir os acordos feitos com os sindicatos».

O ministro da Saúde Paulo Macedo diz não compreender os motivos desta greve e fala em motivações políticas, mas José Manuel Silva, acusa o governante de «querer fazer omeletes sem ovos». Não só por falta de clínicos, como também por falta de financiamento.

VÍDEO: Entrevista na integra ao Bastonário da Ordem dos Médicos

Lamenta que estejam a emigrar centenas de profissionais de saúde e que a resposta do Governo seja a contratação de médicos cubanos. José Manuel Silva destaca que a contratação de médicos reformados podia colmatar muitas falhas. Mas não só.

As condições dadas aos médicos cubanos, «nunca foram oferecidas aos médicos portugueses». «Se fossem», acrescenta, «talvez muitos não emigrassem». Estas contratações, garante, «são muito mais caras ao Estado».

Diz ainda que «há muitas formas de manipular as estatísticas», mas que «há disparidades que comprovam a perda de qualidade» do SNS. No entanto, o bastonário garante estar «disponível para falar e debater com o Ministro da Saúde».

Com a greve dos médicos, só hoje podem estar em causa 160 mil consultas e duas mil cirurgias. É a previsão da Federação Nacional de Médicos (FNAM).

A presidente da FNAM, Maria Merlinde Madureira, aconselhou os utentes a não saírem de casa sem confirmar as suas consultas devido à greve dos médicos que se iniciou às 00:00 e se prolonga até quarta-feira.

Saiba como a greve está a afetar os serviços pelo país:

Hospitais e Centros de Saúde praticamente vazios em todo o país

Várias consultas externas e cirurgias adiadas no hospital de Faro

Quase 300 médicos em greve no maior hospital do país

50% das consultas não realizadas no Hospital de Stº António no Porto