“É um sentimento de dever concluído e também de que o esforço que tive ao longo destes três anos foi produtivo e realmente consegui concretizar aquilo a que me propus desde o início do secundário”, afirmou o estudante de 18 anos à agência Lusa.





“O segredo foi estudar para os exames intensamente”, acrescentou.


“É um sonho. Foi a isso que me propus desde sempre e foi por isso que eu lutei”, sustentou.








“Ao fim de semana chegava a por o despertador a tocar para estudar e durante as férias levava livros para estudar. Mas estuda por prazer e não por obrigação. Sente-se bem a estudar”, sublinhou.