A GNR anunciou a detenção de quatro homens e duas mulheres, residentes em Santa Maria da Feira, suspeitos de terem burlado mais de uma centena de idosos em todo o país.

A detenção ocorreu na última madrugada, durante a realização de buscas a cinco residências e 12 veículos, levadas a cabo por 70 militares da GNR de Aveiro e do Porto, no âmbito de uma investigação iniciada no passado mês de junho.

Segundo fonte da GNR, os detidos, com idades entre os 23 e 62 anos, pertencem à mesma família e no último ano vinham-se dedicando à prática de burlas e furtos em interior de estabelecimentos comerciais em todo o país, com maior incidência nos distritos de Aveiro e do Porto.

"Trata-se de um grupo que trabalha de forma bastante organizada e que atuava junto de uma população muito vulnerável, nomeadamente pessoas idosas e indefesas, com mais de 70 anos", disse à Lusa, o capitão Romeu Martins, da GNR.

Os presumíveis burlões abordavam as vítimas quando estas permaneciam junto da residência e apresentavam-se como seus familiares ou conhecidos, para conquistar a sua confiança.

"Os suspeitos diziam depois que iam abrir uma ourivesaria, solicitando vários objetos em ouro para serem fotografados. Depois furtavam estas peças, aproveitando uma distração da vítima, e colocavam-se em fuga", explicou o mesmo responsável.

Os objetos em ouro furtados eram depois vendidos em lojas de compra e venda de ouro usado.

Durante as buscas, a GNR apreendeu diversos artigos em ouro e diverso material de bijuteria, 3.500 euros em numerário, diversos artigos de vestuário contendo dispositivos de alarme, 17 telemóveis, seis LCD, seis 'tablets' e duas carteiras forradas a alumínio utilizadas em furtos.

Foi ainda possível apreender ao grupo criminoso agora desmantelado, sete viaturas, duas das quais de grande cilindrada, uma pistola e duas caçadeiras com diversas munições.

Os detidos, que estão indiciados por burlas, furtos e associação criminosa, vão ser presentes na próxima terça-feira a primeiro interrogatório judicial, no Tribunal de Santa Maria da Feira, para eventual aplicação de medidas de coação.