O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira continua a ser procurado pela GNR, que ao início da tarde de hoje mudou o posto de comando para Tebilhão, no concelho de Arouca, por motivos estratégicos.

"A mudança do posto de comando é meramente estratégica", disse fonte da GNR à agência Lusa, acrescentando que não há novidades relativamente ao suspeito.

O posto de comando da GNR esteve instalado desde terça-feira à tarde na aldeia de Póvoa das Leiras, no concelho de S. Pedro do Sul, no distrito de Viseu, numa zona onde o suspeito tinha sido avistado pela última vez.

Na terça-feira, a GNR apelou aos residentes de Candal, Póvoa das Leiras e Coelheira para se manterem nas residências, sobretudo à noite, mas ao início da manhã de hoje informou que podiam regressar às suas atividades.

A seguir à hora de almoço, o posto de comando da GNR foi mudado para Tebilhão, no concelho vizinho de Arouca, já no distrito de Aveiro.

No local estão militares e viaturas da GNR, que vão entrando e saindo de uma zona que está interditada.

A GNR tem cerca de 200 militares no terreno a tentar capturar o suspeito, que deverá estar apeado e armado e conhecerá bem o terreno.

A orografia do terreno, bem como as condições climatéricas, têm dificultado o trabalho aos militares.

Hoje de manhã, em declarações aos jornalistas, o major Pedro Gonçalves, da GNR da Guarda, disse que o suspeito conseguirá sobreviver "alguns dias" na zona.

Pelas informações recolhidas, estamos a falar de uma pessoa que, além de conhecer bem o terreno, uma vez que ele é [de] muito próximo daqui, tem familiares e tem residência em Arouca", afirmou.

Além da vantagem de conhecer o terreno, a GNR tem informações de que se trata de "um indivíduo que é capaz de sobreviver durante alguns dias, uma vez que tem propriedades, tem pessoas que o poderão abrigar nesta área", acrescentou.

Um militar e um civil foram assassinados a tiro na madrugada de terça-feira em Aguiar da Beira, no distrito da Guarda, onde também um outro militar e uma civil ficaram feridos com gravidade.

Já durante a tarde, na zona de Candal, um outro militar da GNR foi também ferido com uma arma de fogo.

Leia também: tudo o que se sabe sobre homicídio em Aguiar da Beira

Na sequência do tiroteio em Aguiar da Beira, a GNR montou uma operação policial na zona de São Pedro do Sul.