Geração à rasca: protesto chegou ao Funchal

Menos pessoas do que se estava à espera

Por: Redação / FC    |   12 de Março de 2011 às 17:14
A Praça do Município do Funchal esteve muito longe de ficar cheia de pessoas pois muitos dos que haviam assumido o compromisso no Facebook acabaram por não compareceram na manifestação «Geração à rasca».

Pelas 15:00, a hora marcada para a concentração a praça da capital madeirense estava praticamente vazia, as expectativas eram de reunir cerca de 2.500 pessoas mas os presentes davam apenas para encher metade da praça, informa a agência Lusa.

Aos poucos, de diversos pontos, foram surgindo apoiantes, algumas caras conhecidas de partidos políticos e estruturas sindicais que fizeram questão de garantir que ali estavam apenas como cidadãos e muitos anónimos que juntaram por uma causa e na sequência do apelo lançado nas redes sociais para de forma pacifica protestar pela precariedade e a incerteza do futuro do país.

Apenas quatro polícias «passeavam» naquele quarteirão e um carro cheio de agentes da PSP estava estacionado numa das artérias com os policiais da Brigada de Intervenção Rápida (BIR), descontraídos, pois não foi necessário intervirem para garantir a ordem pública.

Cerca das 16:00 ao som da gaita de foles, os manifestantes começaram a abandonar a praça e percorreram algumas das ruas do Funchal até chegarem à Quinta Vigia.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Manifestação Geração à Rasca
Manifestação Geração à Rasca

COMENTÁRIOS

PUB
Portugal «não espera nem precisa» de um bloco central

António Costa, em resposta a Passos Coelho, diz que o PS constitui uma alternativa às políticas do atual Governo. Líder socialista comenta a entrevista do primeiro-ministro publicada no «Expresso», na qual Passos Coelho admite nova coligação com o CDS-PP e não descarta a ideia de um bloco central. António Costa falava à chegada ao Encontro Nacional de Autarcas Socialistas que decorre em Santarém