Geração à rasca: protesto chegou ao Funchal

Menos pessoas do que se estava à espera

Por: Redação / FC    |   12 de Março de 2011 às 17:14
A Praça do Município do Funchal esteve muito longe de ficar cheia de pessoas pois muitos dos que haviam assumido o compromisso no Facebook acabaram por não compareceram na manifestação «Geração à rasca».

Pelas 15:00, a hora marcada para a concentração a praça da capital madeirense estava praticamente vazia, as expectativas eram de reunir cerca de 2.500 pessoas mas os presentes davam apenas para encher metade da praça, informa a agência Lusa.

Aos poucos, de diversos pontos, foram surgindo apoiantes, algumas caras conhecidas de partidos políticos e estruturas sindicais que fizeram questão de garantir que ali estavam apenas como cidadãos e muitos anónimos que juntaram por uma causa e na sequência do apelo lançado nas redes sociais para de forma pacifica protestar pela precariedade e a incerteza do futuro do país.

Apenas quatro polícias «passeavam» naquele quarteirão e um carro cheio de agentes da PSP estava estacionado numa das artérias com os policiais da Brigada de Intervenção Rápida (BIR), descontraídos, pois não foi necessário intervirem para garantir a ordem pública.

Cerca das 16:00 ao som da gaita de foles, os manifestantes começaram a abandonar a praça e percorreram algumas das ruas do Funchal até chegarem à Quinta Vigia.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Manifestação Geração à Rasca
Manifestação Geração à Rasca

COMENTÁRIOS

PUB
BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém»

«Fala-se do buraco, do buraco, do buraco no meu mandato... Apresentem-me números». Ano e meio depois de sair, ex-presidente do BESA diz que a carteira de crédito cresceu ainda mais, com outros a liderar o banco. Quanto à garantia do Estado angolano, afirma que caiu por culpa do Banco de Portugal. Já sobre os créditos em si, assume a responsabilidade por tê-los pedido, mas quem autorizou foi o BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém». Há alguma contradição nas suas explicações sobre onde é que, afinal, pára o dinheiro dos polémicos créditos que desapareceram