O Infarmed, Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, anunciou que está a reavaliar as comparticipações de 115 medicamentos, que ou ajustam os preços ou podem perder o atual apoio estatal.

Trata-se, segundo um comunicado divulgado esta terça-feira, de comparticipações de medicamentos não genéricos (de marca) com um preço 20 por cento superior a alternativas terapêuticas para os mesmos fins e que também não são genéricas.

Esta reavaliação poderá implicar a descomparticipação destes medicamentos, a menos que os laboratórios que os disponibilizam ajustem os preços até este limite”, avisa o INFARMED.

A reavaliação, frisa, vai permitir uma “poupança total de 35,2 milhões de euros por ano, dos quais 21,3 milhões só para os utentes”.

Da lista de medicamentos abrangidos fazem parte analgésicos, antidepressivos, antibióticos ou fármacos destinados a doenças cardiovasculares, explica-se ainda no comunicado, no qual se acrescenta que a medida já foi comunicada ao setor e que está prevista no decreto-lei 97/2015.