Os incêndios de domingo devastaram o Centro e Norte do país. Muita gente ficou sem casa e sem meios e locais de trabalho. Muitas das vítimas necessitam de bens de primeira necessidade. Há associações e instituições a mobilizarem-se para ajudar a reerguer as populações das cinzas. A TVI24 reúne neste artigo alguns dos meios de ajuda para as populações afetadas. 

Seia

A Câmara Municipal de Seia abriu uma conta bancária para apoiar as vítimas dos incêndios, nomeadamente na recuperação de habitações e na criação de condições que permitam "restaurar a sua qualidade de vida".

A autarquia esclarece que os recursos financeiros angariados com a conta solidária (IBAN: PT50-0045 4080 4029 3110 5079 5) serão "exclusivamente investidos" no apoio direto às famílias afetadas pelos incêndios florestais do concelho, nomeadamente "na recuperação de imóveis de habitação e na criação de condições que permitam restaurar a sua qualidade de vida".

Vouzela

A Câmara de Vouzela também abriu uma conta bancária. Intitulada “Vouzela solidária”, a conta (com o IBAN: PT50 0045 3190 4029 3068 7781 9) “será única e exclusivamente canalizada para este fim e gerida apenas pelo município”, garante.

Tábua

Também o município de Tábua abriu uma “conta com o intuito de apoiar as populações de todo o concelho afetadas”. A conta de solidariedade (PT50 0045 3454 4029 3172 9243 5) “será única e exclusivamente canalizada para este fim e gerida apenas pelo município de Tábua”, afirma a autarquia na nota hoje divulgada, designadamente na sua página na internet, a propósito da iniciativa.

A Câmara continua, entretanto, a recolher bens de apoio às pessoas afetadas pelos fogos de domingo, através do Gabinete de Apoio às Vítimas do Incêndio.

Fraldas para bebés e idosos, lençóis, cobertores, toalhas de banho, leite, enlatados, comida para bebés (farinhas), água, fruta, barras de cereais e bolachas são alguns dos produtos que fazem parte da lista de “carências sentidas [pelas populações] depois da tragédia vivida” no concelho, refere a Câmara.

“Ajude-nos a ajudar e junte-se a esta campanha solidária”, com a doação de bens na Loja Social, apela o município, recordando que a loja funciona entre a 09:00 e as 18:00, de segunda a sexta-feira, e entre as 09:30 e as 17:00, ao fim de semana.

Arganil

A Câmara de Arganil está a recolher fruta, legumes e pomadas para queimaduras. O centro de receção de bens funciona no centro multiusos, na Cerâmica Arganilense, naquela vila, entre as 09:00 e as 20:00 (ao domingo encerra às 13:00), adianta a autarquia, num apelo divulgado esta sexta-feira.

Há outro ponto de recolha, para além dos referidos, de bens como alimentos não perecíveis ou lençóis, cobertores, mantas e produtos de higiene, na zona do Porto, em Valadares (Rua Manuel Moreira da Costa Júnior, nº 4 1º BA), aberto entre as 09:00 e as 19:00, refere a Câmara.

Em Lisboa, também funciona um centro com os mesmos objetivos, criado pela Casa da Comarca de Arganil. O ponto de recolha em Lisboa funciona na Casa da Comarca de Arganil (Rua da Fé), entre 23 e 27 de outubro das 09:00 às 20:00.

Mangualde

A Câmara de Mangualde divulgou uma lista de bens considerados prioritários para responder às necessidades das vítimas das chamas.

Neste momento são prioritários os seguintes bens: roupas de cama; atoalhados; roupas interiores (pijamas, chinelos de quarto, etc.); produtos de higiene pessoal, utensílios de casa (tachos, pratos, panelas, etc.)", refere a autarquia.

 

Todos estes bens devem ser entregues na Loja Social ‘Mangualde Social +’, sita na Avenida Conde D. Henrique (Prédios da Rádio). Após a receção destes bens, e face à identificação existente das necessidades mais críticas, a Câmara Municipal fará chegar esses bens, diariamente, a quem deles necessitar", esclarece a autarquia.

Nesta primeira fase de socorro, a Câmara considera que "não é oportuno a entrega de eletrodomésticos, móveis e outros equipamentos sem que antes se promova a reconstrução das habitações atingidas".

No entanto, os Serviços Técnicos previnem que quem quiser doar bens deste género deve indicar "as intenções/disponibilidades para essas ofertas através do telefone 232619880 ou do email ssocial@cmamngualde.pt". As dádivas de materiais de construção ficarão a aguardar um levantamento mais aproximado da realidade.

Santa Comba Dão

A Câmara de Santa Comba Dão está a recrutar voluntários para “ajudar em diversas tarefas no âmbito social” e a recolher bens, essencialmente para equipar habitações de pessoas afetadas pelos incêndios.

As candidaturas podem ser feitas através da página na internet da autarquia, na qual disponibiliza contactos por telefone (962 728 982) e email (geral@cm-santacombadao.pt.

A Câmara de Santa Comba Dão apela ainda à doação de bens como mobílias, equipamento e utensílios de cozinha, roupa de cama e colchões, enfim “tudo o que é necessário para equipar e mobilar as habitações que arderam e serão reconstruídas”.

Além disso, abriu uma conta bancária (PT50 0035 070800029527 330 41), igualmente para apoiar as vítimas dos incêndios no concelho.

Viseu

O Pavilhão Cidade de Viseu (antigo Inatel) está a recolher bens para ajudar as vítimas, sendo que o Município de Viseu publicou no Facebook, ontem à tarde, uma nota dando conta do balanço positivo de bens doados, "já suficientes para suprir as necessidades mais prementes dos destinatários identificados".

Os voluntários que estão a colaborar têm feito apelos nas redes sociais para que quem possa entregue naquele pavilhão artigos para higiene de bebé e, também, ração para ovelhas e cavalos.

Para além disso, a ajuda necessária, neste momento, é mesmo de voluntários, para "organizar tudo e distribuir pelas entidades que farão chegar a quem mais precisa", segundo a autarquia.