Nos últimos 13 anos, um terço dos fogos e quase metade da área ardida teve mão criminosa. As contas são do Jornal de Notícias, que analisou as listas do sistema de gestão de incêndios florestais.

Entre 2001 e 2013, o chamado «incendiarismo» foi responsável por 37,6% dos mais de 45 mil fogos registados.

Os incendiários destruíram meio milhão de hectares de área ardida e atuaram, quase sempre, durante a noite.

As queimadas são outra causa dos incêndios florestais: foram responsáveis por 42,2% das ocorrências apuradas no total dos últimos 13 anos.