A Proteção Civil decidiu prolongar o alerta laranja para os 18 distritos do continente, pelo menos até sexta-feira, dia 18 de agosto. A adjunta nacional Patrícia Gaspar deixou essa indicação no briefing que fez aos jornalistas, pelas 19:00.

O alerta laranja é o segundo mais grave e justifica-se pelas previsões meteorológicas do Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Aquilo que se prevê, segundo Patrícia Gaspar, é uma subida das temperaturas já a partir de amanhã, quinta-feira, vento e humidade relativa do ar entre 20% e 35%, sobretudo no interior do país. 

Face a este cenário, iremos ter um agravamento das classes de incêndio, nomeadamente nos níveis muito elevado e máximo. Face a esta evolução do cenário meteorológico, foi hoje decidido também (...) a manutenção e o prolongamento do estado especial de nível laranja para os 18 distritos do país"

O país está em chamas e na última semana já se contabilizaram pelo menos 74 feridos: 68 ligeiros - 46 bombeiros e 22 civis - , sendo que seis estão em estado grave, dos quais quatro bombeiros e dois civis.

O fogo mais preocupante, esta quarta-feira, lavra em Vila de Rei (Castelo Branco) e estendeu-se a Mação (Santarém). O incêndio atravessou aldeias, sendo que a aldeia de Louriceira ficou bastante destruída.

A Proteção Civil destacou quatro fogos no balanço que fez pelas 19:00: Mação, em Santarém; Vila de Rei, em Castelo Branco; Ribeira de Pena, em Vila Real; e Soure, em Coimbra.

O fogo do concelho de Mação era o que inspirava maior preocupação esta quarta-feira, uma vez que estava a ser “um incêndio difícil de combater”, uma vez que se registaram projeções a mais de um quilómetro de distância.

Espanha disponibilizou mais ajuda

Relativamente ao reforço dos meios de combate aos incêndios, Patrícia Gaspar avançou que Espanha disponibilizou mais uma equipa para apoiar os bombeiros portugueses. Há duas equipas espanholas no terreno. Marrocos mantém também o avião a operar nos incêndios florestais.

A responsável da Proteção Civil referiu ainda que se encontram nos diferentes teatros de operações de combate aos incêndios 17 máquinas de rasto, 26 grupos de reforço dos bombeiros e 639 militares do Exército, da Marinha e da Força Aérea.

Plano Distrital de Emergência desativado em Coimbra

Notícia no final do dia de quarta-feira foi também que o Plano Distrital de Emergência de Proteção Civil de Coimbra - que tinha sido ativado na sexta-feira, por causa do fogo que lavrou na zona de Lamarosa - foi desativado, bem como os de Miranda do Corvo e de Coimbra. 

Patrícia Gaspar indicou que se mantêm ainda ativos cinco planos municipais: dos concelhos de Cantanhede, Ferreira do Zêzere, Vila de Rei, Fundão e Castelo Branco.