Notícia atualizada às 13:08

Um incêndio que deflagrou na terça-feira à noite num edifício do PCP, na Amadora, e em que há suspeitas de fogo posto, obrigou ao realojamento de cinco pessoas, disseram, esta quarta-feira, à Lusa fontes dos bombeiros e da polícia.

De acordo com o comandante dos bombeiros da Amadora, Mário Conde, pelas 22:50 de quinta-feira, foi dado o alerta para um incêndio no edifício do PCP na avenida da República.

O fogo terá começado no rés-do-chão, na entrada de caixa das escadas do edifício de três andares.

Mário Conde referiu que, na altura, estavam no edifício 18 pessoas, a maioria no primeiro e no segundo andar, onde funciona o centro de trabalho da Amadora do PCP.

Do terceiro andar, «o único habitado», foram retiradas cinco pessoas ¿ dois idosos, dois adultos e uma criança ¿ que ficaram realojados em casa de familiares.

O comandante dos bombeiros explicou que os moradores só poderão voltar «quando a escada do prédio for reconstruida».

De acordo com Mário Conde, o edifício em questão tem cerca de 60 anos e a escadaria do prédio é em madeira.

Além do dano nas escadas, não houve mais prejuízos.

De acordo com o comandante, estava prevista para esta quarta-feira de manhã uma deslocação de uma equipa da Polícia Judiciária ao local. O mesmo foi confirmado pelo oficial de dia do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa. De acordo com as duas fontes, suspeita-se de fogo posto.

A fonte da PSP adiantou que uma testemunha terá visto alguém a pôr-se em fuga pouco depois do alerta de incêndio.

Fonte oficial do PCP confirmou à Lusa o incêndio e referiu estar «uma investigação a decorrer». «O trabalho irá continuar com normalidade», referiu a mesma fonte.