O homem detido no sábado por suspeita de atear fogos em Balugães, Barcelos, foi esta segunda-feira libertado pelo tribunal, ficando obrigado a apresentações diárias na polícia e proibido de se aproximar da floresta, informou fonte da Polícia Judiciária (PJ).

O suspeito, de 40 anos, foi identificado pela GNR pelas 04:30 de sábado, pela presumível autoria de “fogo posto” na mancha florestal da freguesia de Balugães.

De acordo com um comunicado da GNR, as chamas começaram pelas 04:00, pondo em “perigo uma área florestal contínua de 150 hectares e diversas habitações existentes nas proximidades”.

O comunicado acrescenta que os militares da GNR deslocaram-se ao local do incêndio pelas 04:30, tendo desenvolvido, “de imediato, diligências”, e realizado “medidas cautelares e de polícia, acabando por identificar o suspeito como sendo o presumível autor dos focos de incêndios na mancha florestal da freguesia de Balugães”.

Os factos foram, entretanto, comunicados à PJ, que formalizou a detenção do suspeito.

A GNR acrescenta que o incêndio foi extinto pelas 06:50, tendo sido combatido por “quatro viaturas e 15 operacionais de corporações de Barcelos, Barcelinhos e Vila Verde.

“A área total ardida foi cerca de 2.000 metros. Apesar da intervenção musculada inicial dos bombeiros com os meios de combate, registou-se perigo para uma área florestal contínua de 150 hectares e diversas habitações existentes nas proximidades”, refere a GNR.