A direção da associação PédeXumbo, promotora do Festival “Andanças”, que decorre em Castelo de Vide, distrito de Portalegre, lamentou esta quinta-feira “os danos psicológicos e materiais” resultantes do incêndio de quarta-feira, que destruiu 422 viaturas.

Em comunicado divulgado esta quinta-feira, a entidade, “em primeiro lugar”, lamentou “a ocorrência e os danos psicológicos e materiais resultantes, bem como todos os transtornos ainda existentes que afetaram, direta ou indiretamente, todos os participantes e a própria organização”.

A direção da Pédexumbo - Associação para a Promoção da Música e Dança fez questão também de “valorizar e agradecer a forma cívica e consciente como as pessoas se comportaram e colaboraram no processo de evacuação” do espaço, o que permitiu “salvaguardar o bem-estar e a segurança geral”.

Reconhecendo “o esforço e a capacidade de articulação e resposta em uníssono” das várias entidades envolvidas na resposta ao incêndio, ocorrido num dos parques de estacionamento do evento, a organização do “Andanças” afirmou que o Plano de Segurança do festival “foi devidamente acionado” e que “os protocolos oficiais” foram “cumpridos”.

Expressamos também o nosso agradecimento pelo apoio e solidariedade prontamente manifestada por outros parceiros, entidades, fornecedores e população local”, pode ler-se no comunicado oficial da associação.

O processo de peritagem oficial “está em curso pelas entidades responsáveis”, destacou ainda a entidade organizadora do festival, que frisou “continuar a envidar todos os esforços para apoiar e acompanhar as pessoas envolvidas”.

A organização reforçou igualmente o seu “profundo agradecimento pela compreensão e colaboração conjunta de todos os artistas, voluntários e participantes que estão a permitir a continuação do festival”.

O 21.º “Andanças” - Festival Internacional de Danças Populares está a decorrer, desde segunda-feira e até domingo, numa área de 28 hectares nas margens da albufeira de Póvoa e Meadas, no concelho alentejano de Castelo de Vide, esperando um total de 40 mil visitantes.

Na quarta-feira à tarde, um incêndio que deflagrou num dos parques de estacionamento do evento destruiu 422 viaturas e danificou parcialmente outras nove, mas não causou danos pessoais.

A organização e as autoridades retomaram hoje de manhã a recolha de dados junto dos proprietários dos automóveis que foram lesados pelo fogo, ao passo que o festival reiniciou as suas atividades cerca das 09:30.

Além de elementos da Policia Judiciária, que continuam a proceder a investigações no local, a GNR mobilizou hoje de manhã para o terreno uma equipa de investigação criminal “reforçada”, disse à Lusa o oficial de relações públicas do Comando Territorial de Portalegre da Guarda, tenente-coronel Carlos Belchior.