A Federação Nacional da Educação (FNE) defendeu esta segunda-feira que mais sucesso escolar impõe turmas mais pequenas e que o critério dos custos financeiros não pode ser determinante numa questão pedagógica.

A posição da FNE surge em reação a um estudo do Conselho Nacional de Educação (CNE) segundo o qual a proposta do Partido Ecologista Os Verdes para reduzir o número de alunos por turma custaria ao Estado 750 milhões de euros por ano.

A composição de uma turma é uma questão de ordem pedagógica que não pode ser determinada apenas à luz de critérios económicos”

A federação recorda que já apresentou ao Ministério da Educação uma proposta no sentido de limitar o número de alunos por turma, sustentando que assegurar o direito a aprender em equidade é uma garantia de maior coesão social e desenvolvimento.

O estudo do CNE aponta também alguma margem para decisões no âmbito da autonomia das escolas, o que a FNE saúde, mas sublinha a necessidade de este poder não ser “condicionado por fatores orçamentais que acabariam por anular qualquer espaço autónomo de manobra”.

Entende-se também que haveria fortes limitações a esse poder se este tivesse de se submeter a um visto prévio de validação das turmas”

A estrutura sindical reclama outras medidas de promoção do sucesso escolar, ao nível dos currículos e dos programas, dos tempos escolares, da ação social escolar e da autonomia profissional dos professores.

Para tudo isto são necessárias novas políticas educativas para cujo debate o Ministério da Educação ainda não demonstrou disponibilidade ou interesse”

A organização, que representa também os trabalhadores não docentes, afirma que a intervenção do ministério “não se pode esgotar”, até ao final do ano letivo, na alteração do regime de avaliação dos alunos do ensino básico e no fim da Bolsa de Contratação de Escola nos concursos de professores.

É necessário abrir novas formas de debate público e de envolvimento de parceiros”

A proposta da FNE sobre a constituição de turmas fixa em 20 o número máximo de alunos no 1.º Ciclo e em 25 nos restantes, salvaguardando situações de exceção para crianças com Necessidades Educativas Especiais.