O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras deteve em Queluz uma contabilista com dupla nacionalidade - portuguesa e outra não especificada pelo SEF -, pelos crimes de auxílio à imigração ilegal e falsificação de documentos.

A detenção verificou-se no âmbito da Operação Déjà Vu, para cumprimento de um mandado de busca domiciliária, outro de busca a gabinete de contabilidade e dois mandados de busca a viatura.

Segundo o SEF, a busca resultou na apreensão de diversa documentação incriminatória, incluindo certificados falsos de qualificações de língua portuguesa para efeitos de aquisição da nacionalidade portuguesa, contratos de trabalho fictícios, declarações patronais e outra documentação.

Documentação que se destinava a ser utilizada na legalização de cidadãos estrangeiros junto do SEF, num esquema em que a contabilista em causa cobraria quantias avultadas.

A suspeita, já anteriormente condenada pelos mesmos crimes em processo também investigado SEF, tinha pendente uma pena suspensa de cinco anos e preparava-se para viajar para Angola, onde teria aberto uma sucursal do seu gabinete de contabilidade.

"O facto de ter dupla nacionalidade, aliada aos antecedentes criminais, terá contribuído para a convicção que haveria perigo de fuga, pelo que lhe foi aplicada a medida de coação mais gravosa, de prisão preventiva", indicou o SEF.