Uma explosão ocorreu na tarde desta terça-feira num paiol de uma fábrica de pirotecnia localizada em Avões, Penajóia, concelho de Lamego, provocando pelo menos cinco mortos.

O secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, informou no local que há cinco mortos confirmados e três desaparecidos.

Por razões de segurança dos operacionais, não se pode proceder nem à identificação dos corpos, nem proceder a qualquer movimento no local do acidente", acrescentou.

Novas informações, acrescentou o governante, serão dadas na quarta-feira, no local, às 10:30.

Aos jornalistas, Jorge Gomes explicou ainda que foi criado um perímetro de segurança com um raio de 300 metros, que a GNR irá manter ao longo de toda a noite.

A partir das 08:00 será iniciado "todo o trabalho de pesquisa, procura e levantamento para perceber o que aconteceu e porque aconteceu, bem como da identificação dos corpos que estão encontrados".

O alerta da explsoão chegou ao CDOS (Centro Distrital de Operações e Socorro) às 17:48. Já a GNR de Lamego foi alertada "cerca das 18:00, tendo seguido de imediato o piquete para o local", como revelou fonte do posto à TVI24.

Contactado pela TVI24, o presidente da Junta de Freguesia de Avões, Macário Rebelo, adiantou que, de acordo com um familiar do proprietário, estariam "sete ou oito pessoas no local da explosão". Cinco corpos já foram localizados. De acordo com Macário Rebelo, entre as vítimas estão "o proprietário, uma filha, o genro e um funcionário".

O presidente da Junta de Freguesia de Ferreiros de Avões, freguesia onde residiam algumas das vítimas, afirmou, em declarações à TVI24 que estavam oito pessoas no local quando se deu a explosão.

As vítimas têm, de acordo com fonte da Câmara de Lamego, entre 22 e 52 anos.

A mesma fonte adianta que, dado o cenário, "não há esperança de encontrar sobreviventes". Há ainda pelo menos três pessoas de quem nada se sabe. Seriam "quase todos da mesma família, entre pai, filhos, genros e sobrinhos, já que se trata de uma empresa familiar".

Veja também:

As 18:45, a mesma fonte adiantava que "continuam a ouvir-se explosões e há muito fumo". 

 

De acordo com os bombeiros locais, cerca das 21:30, estavam no local 114 operacionais, apoiados por 44 viaturas.

O comandante da GNR de Viseu, coronel Vítor Rodrigues, estava no local e adiantou à TVI24 que a explosão aconteceu durante uma carga ou descarga de material. A mesma fonte adiantou que a Polícia Judiciária do Porto foi chamada ao local. 

Ouvidas três explosões

Em contacto com a freguesia vizinha de Ferreiro de Avões, onde residia a família que explorava a fábrica de pirotecnia, uma fonte contou ter ouvido "três explosões", sendo que a unidade de fabrico de fogo de artifício fica a cerca de "quatro a cinco quilómetros".

A TVI24 apurou ainda que a fábrica onde se registaram as explosões é propriedade de uma família que trabalha quase toda na empresa.

Aqui, estamos todos em estado de choque. Sabemos que a mulher do senhor e as duas filhas estavam em casa, mas não sabemos o que terá acontecido a quem lá estava", relatou a fonte da junta de Ferreiro de Avões.