São o principal motivo dos protestos dos taxistas e, um dia antes de seis mil táxis bloquearem Lisboa, Porto e Faro numa manifestação sem precedentes contra o seu serviço, a Uber responde e mostra como seria viver num país sem escolhas.

#euqueroescolher, é a hastag que acompanha uma série de vídeos que a empresa lançou nas redes sociais, onde se compara a vários serviços que também já foram proibidos ou que simplesmente não existiam. A limitação dos canais de televisão ou a proibição do e-mail são dois exemplos.

A empresa explica ainda como paga os seus impostos.

No Twitter, as reações à campanha da Uber dividem-se.