Mais de 25.000 crianças entre os dois e os nove anos foram inscritos no programa da PSP “Estou Aqui”, que consiste na distribuição de pulseiras gratuitas para ajudar a identificar crianças desaparecidas, indicou hoje aquela força de segurança.

Num comunicado, a Polícia de Segurança Pública faz o balanço da primeira semana do programa, lançado a 01 de junho, e que este ano apresenta um novo método de registo, devendo os pais fazer o registo prévio e só depois podem levantar a pulseira na esquadra escolhida.

Segundo a PSP, foram inscritas, durante uma semana, no site da internet do programa “Estou Aqui” 25.400 crianças e foram entregues nas esquadras 3.500 pulseiras, refere a Lusa.

A polícia adianta que os distritos mais representativos são Lisboa, Porto, Setúbal, Braga e Faro, além de terem sido inseridas no programa 40 crianças filhas de turistas que estão de férias em Portugal.

No ano passado, 25.000 crianças usaram as pulseiras.

Os pais podem fazer o registo prévio das crianças no site do programa (https://estouaqui.mai.gov.pt/Pages/Home.htm.), que vai já na quarta edição, e as pulseiras podem ser levantadas nas esquadras da PSP escolhidas pelos pais após o registo ter sido concretizado com sucesso.

De acordo com a PSP, as pulseiras ficam disponíveis para serem entregues depois do sétimo até ao 25º dia, sendo o pedido cancelado caso não sejam levantadas nesse período.

A pulseira, destinada a crianças entre os dois e os nove anos, pode também ser usada por crianças estrangeiras que visitam Portugal e por filhos de portugueses que façam férias em países da União Europeia.

Segundo a PSP, o programa "visa facilitar e agilizar a localização dos educadores ou pais de crianças perdidas”, especialmente no período de verão.

Cada pulseira “é única”, sendo atribuída a cada uma um número diferente que, apesar de ser percetível, só pode ser lido pela PSP, através da base de dados.

Em caso de desaparecimento da criança e, através de uma chamada para o 112, serão acionados os mecanismos necessários de comunicação com as forças de segurança, que enviarão para o local do desaparecimento da criança uma patrulha policial.

Paralelamente, ao longo deste processo, que se pretende o “mais célere possível”, a PSP agilizará, através da força de segurança envolvida, o contacto com o responsável pela criança perdida, de acordo com os registos fornecidos no ato de adesão e ativação da pulseira, segundo a Polícia.