Sobre futuras ações de luta dos polícias, Armando Ferreira adiantou à Lusa que essa possibilidade está «nas mãos da ministra e não dos sindicatos».