A Polícia Judiciária libertou seis cidadãos portugueses que se encontravam sequestrados e escravizados em Espanha, sendo forçados a uma carga horária de cerca de 15 horas diárias de trabalho sem remuneração.

Durante a operação, e com o apoio das autoridades policiais espanholas, foram detidos três suspeitos de nacionalidade portuguesa, um casal e um filho, “fortemente indiciadas pela prática continuada de crime de tráfico de pessoas para exploração laboral”, refere comunicado da PJ.

Segundo a Polícia Judiciária, as vítimas eram recrutadas no norte do país, designadamente nas zonas de Penafiel e de Vila Nova de Famalicão, para a prestação de serviços na área da agricultura na região de Leon, em Espanha, sob falsas promessas de remuneração e regalias laborais.

No local, as vítimas eram “forçadas a uma carga horária de cerca de 15 horas diárias de trabalho sem remuneração, estando albergados em garagens onde dormiam trancadas, com uma alimentação precária, e sendo ainda, em alguns casos, alvo de ameaças e de maus tratos físicos”.

De acordo com a PJ, a maioria das vítimas apresentava um perfil de debilidade económica e mental, bem como comportamentos de alcoolemia ou toxicodependência.