O número de licenciados aumentou dois pontos percentuais em Portugal em 2013, face a 2012, e a taxa de abandono escolar prematuro sofreu um ligeiro recuo, mas as metas para 2020 continuam longe, divulga hoje o Eurostat.

Segundo o gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (UE), em Portugal havia, em 2013, 29,2 por cento de diplomados do ensino superior, face aos 27,2 de 2012, sendo que a meta traçada para 2020 é de 40%.

Portugal está também longe da média da UE - 36,8%, em 2013, uma subida de 1,1% na comparação com o ano anterior e já perto do objetivo para 2020.

O Eurostat destaca, no entanto, a prestação de Portugal no longo prazo, tendo sido um dos dez estados-membros em que o número de pessoas entre os 30 e os 34 com diploma do ensino superior mais do que duplicou comparando com os 13% de 2002.

Os números do abandono escolar ou da formação registaram em Portugal uma ligeira melhoria de 2012 (20,8%) para 2013 (19,2%), sendo o objetivo para 2020 de 10%. A média da UE é, respetivamente, de 12,7% e 11,9%.

Mais uma vez, os progressos de Portugal são mais visíveis na comparação a longo prazo: a taxa de abandono escolar (população entre os 18 e os 24 anos que concluiu o primeiro ciclo do secundário, mas não estuda nem faz qualquer formação) era, em 2005, de 38,8%.