Há cada vez mais famílias a admitirem que têm de pedir dinheiro ao banco para pagar as despesas com o início do ano escolar. Entre mensalidades, material escolar e vestuários, as famílias portuguesas vão pagar em média, 528 euros por filho. A maior parte da despesa é com livros escolares e pode atingir os 200 euros. 

Susana Albuquerque, especialista em educação financeira e finanças pessoais, esteve no Diário da Manhã da TVI, para dar alguns conselhos aos pais. 
 

“Às vezes é difícil dizer não aos filhos, que são bombardeados com imenso material atrativo”, admite a especialista. 


Sem hesitar Susana Albuquerque, ressalva que o mais importante é poupar, para depois ter verbas nesta altura. “Quanto mais cedo pouparmos, menos temos que poupar depois”, afirma acrescentando que depois é também importante “envolver as crianças no orçamento para os livros e o material escolar.

Esta serve como “uma oportunidade de começarmos a educação financeira deles. Negociar com eles, explicar que não podemos ter tudo. Um bom princípio, até, para o futuro”.

Recorrer a livros escolares usados é também outra opção que permite poupar às famílias e é por aí que “os pais devem começar”.
 

“Antes de comprar, antes de gastar dinheiro, eu devo ver se existe disponível aquilo que vou precisar”, explica a especialista.


O site Reutilizar.org “mostra todos os sites de troca e doação de livros usados” e deve ser uma opção. 

Na sua opinião, este é um hábito, de recorrer a livros usados e doar livros, que a classe média tem vindo a ganhar e é um bom caminho.

Em relação ao vestuário que também é preciso comprar nesta altura, principalmente para a prática desportiva, Susana Albuquerque, insiste que “planear significa sempre poupar. Começar antes, ir aproveitando os saldos, antecipando aquilo que é mesmo necessário. Ou então ir distribuindo pelos meses, conforme o material é necessário”.