A televisão continua a liderar o consumo nos media, conclui a segunda edição do projeto do regulador dos media, ERC, "Públicos e Consumos de Media”, em parceria com a Universidade Católica e a GfK Portugal, a divulgar segunda-feira.

Segundo o estudo, denominado "As novas dinâmicas do consumo televisivo em Portugal", a televisão "continua a ser o meio mais consumido pelos inquiridos: 99% dizem ver regularmente programas televisivos".

Os dados do estudo "comprovam a existência de um fosso geracional nas práticas de consumo entre as gerações mais velhas, que mantém a televisão e a sala de estar como o principal meio e local privilegiado para o consumo de conteúdos, por oposição às gerações mais jovens que, não obstante manterem uma afinidade muito elevada com a televisão, diversificam os seus locais de consumo, bem como os dispositivos através dos quais acedem a conteúdos audiovisuais".

Enquanto 99% dos inquiridos afirmam ver televisão com regularidade, 60,5% dizem utilizar frequentemente a Internet, 68,2% acedem com regularidade a jornais e revista e 73% têm por hábito a escuta de rádio, refere o estudo.

"Cerca de um quarto do total dos inquiridos tem apenas acesso aos cinco canais (RTP1, RTP2, SIC, TVI e canal Parlamento), apresentando como motivo chave razões económicas (65,9%), seguindo-se, com 48,4%, o facto de os cinco canais oferecerem programas suficientes para satisfação das necessidades informativas e recreativas", conclui o estudo.

No caso da Internet, 39,5% dos inquiridos afirmaram que não acedem regularmente a esta.

Ora este dado confirma que "Portugal é dos países da Europa com uma das maiores taxas de indivíduos que não acede regularmente à Internet".

"A existência de um fosso digital torna relevante compreender quais as variáveis sociodemográficas que melhor distinguem os indivíduos com e sem acesso regular à rede. De acordo com os resultados do inquérito, a realidade é distinta nas diversas regiões do país".

Ou seja, no Algarve a taxa de utilização é de 72% e na Grande Lisboa de 67,9%, enquanto no Norte e no Alentejo os valores baixam para 53,3% e 58,2%, respetivamente.

Relativamente à faixa etária, "96,3% dos indivíduos entre os 15 e os 24 anos ligam-se à rede com regularidade", enquanto nos maiores de 65 anos o peso é de 11,5%.

"Tal demonstra existir ainda em Portugal um fosso etário no consumo de novas tecnologias, não obstante os inúmeros projetos dedicados à promoção da literacia digital junto da população sénior", refere o estudo.

No que respeita ao consumo dos média tradicionais através da Internet, mais de metade dos inquiridos (53,6%) disse aceder "regularmente a conteúdos de jornais e revistas, enquanto 22,7% ouvem programas de rádio e 21,7% consomem conteúdos de televisão”.

Sobre o consumo de jornais e revistas, mais de dois terços (68,2%) disse aceder regularmente a conteúdos de imprensa tanto em papel como em versões digitais.

"O hábito de aceder à informação produzida pela imprensa apresenta uma maior prevalência nos indivíduos entre os 35 e 44 anos (79,1%) e entre os 25 e os 34 anos (78%). Já entre os maiores de 65 anos apenas 52,5% são leitores regulares", acrescenta o estudo, que ainda indica que os segmentos mais jovens também consomem informação: 78% entre 25 e os 34 anos e 63% entre os 15 e 24 anos.

Ouvir rádio

Sobre a rádio, 73% dos inquiridos afirmaram ouvi-la com regularidade, sendo "o segundo meio, apenas superado pela televisão, em termos do número de indivíduos que atinge".

Os indivíduos com idades entre os 35 e 44 anos (84,2%) e os 25 e os 34 anos (83,6%) "são os que mais se ligam ao meio sonoro", e em sentido inverso, "entre os maiores de 65 anos a percentagem de ouvintes regulares de rádio é de apenas 55,3%, o que nos permite concluir que se trata de um meio com apelo, sobretudo, entre a população ativa e os estudantes", refere o documento.

Na televisão, os portugueses preferem os programas de informação e telenovelas, filmes e séries, sendo que a maior parte (86%) não usam o aparelho de televisão para outro fim além do visionamento televisivo.

O estudo teve uma amostra de 1.018 indivíduos, representativos do universo a estudar - população residente em território nacional com 15 ou mais anos de idade.

O trabalho de campo decorreu entre 03 de outubro e 30 de novembro de 2015.