Os concursos para a compra de luvas, extintores dorsais e pás destinados aos militares das Forças Armadas que vão apoiar o combate aos incêndios e as operações de rescaldo ficaram desertos, segundo o Ministério da Defesa.

Os restantes componentes do Equipamento de Proteção Individual (EPI) já foram entregues à Marinha, por empréstimo, e ao Exército, a título definitivo, indica a resposta do Ministério da Defesa a uma pergunta do CDS-PP, enviada no passado dia 10.

De acordo com a informação do Ministério da Defesa, assinada pela chefe de gabinete do ministro Azeredo Lopes, Maria João Mendes, “os concursos para a aquisição de lotes de luvas, extintores dorsais, pás e foições ficaram desertos”.

Segundo o documento, disponível no “site” da Assembleia da República, isso não impediu que se “continuasse com o processo de aquisição dos restantes componentes do Equipamento de Proteção Individual”.

Assim, já foram entregues ao Exército 1320 óculos de proteção individual, o mesmo número de capacetes e de pares de botas, de capuzes de proteção florestal e de lanternas de suporte.

O Exército recebeu também 360 ancinhos e igual número de abafadores e de ancinhos de corte e 540 enxadões.

A título de empréstimo, a Marinha recebeu 44 óculos e pares de botas, de capacetes florestais, capuzes de proteção e de lanternas de suporte.

A Marinha recebeu ainda 18 enxadões, e 12 ancinhos, e igual número de abafadores e de ancinhos de corte.

"Vamos cumprir a missão"

O documento, com data de 25 de maio, indica que os fatos de proteção individual e camisolas interiores (1320 para o Exército e 44 para a Marinha) seriam entregues até ao dia 24. Na resposta, o ministério da Defesa não refere se os equipamentos em falta serão ainda entregues.

Contactado pela Lusa, o porta-voz do Exército, tenente-coronel Vicente Pereira, confirmou que não tinham sido entregues até hoje as luvas, extintores dorsais, pás e foições, assegurando que mesmo que não venham a ser entregues em tempo útil “a missão não deixará de ser cumprida”.

Temos os nossos materiais e equipamentos, vamos cumprir a missão, tal como cumprimos no ano passado”, disse, acrescentando que foram formados 1320 militares do Exército para a operação de apoio ao combate aos incêndios florestais.

Em abril já tinham sido entregues ao Exército, pela Autoridade Nacional de Proteção Civil, os capacetes e as botas.

Questionado pela Lusa sobre se os equipamentos em falta serão ainda fornecidos ao Exército e à Marinha, o ministério da Defesa não tinha, até cerca das 19:30, respondido.