Os enfermeiros de quatro especialidades diferentes manifestaram intenção de entregar os seus títulos de especialista em protesto contra a falta de pagamento devido, disse à Lusa a bastonária da sua Ordem.

Vários enfermeiros com especialidade de Saúde Materna já pediram a suspensão dos títulos, mas o número de pedidos só deverá ser conhecido no fim desta semana, afirmou Ana Rita Cavaco.

Os especialistas de Saúde Infantil e Pediátrica, Reabilitação e Médico-Cirúrgica também criaram movimentos e manifestaram a intenção de entregar os títulos, o que os impedirá de trabalhar em atividades específicas, exigindo ao mesmo tempo ao Governo que lhes aumente os salários e crie carreiras específicas.

Preocupa-nos muitíssimo, é um movimento que está a crescer e a alastrar", admitiu Ana Rita Cavaco, ressalvando que a Ordem ainda não suspendeu nenhum título, apesar de já ter recebido vários pedidos dos especialistas de Saúde Materna.

Concedida a suspensão, um profissional só poderá trabalhar nos cuidados gerais e não nos especializados, que incluem atos que só podem ser praticados com um título válido.

Os pedidos de entrega dos títulos surgem na sequência de alegadas ameaças e tentativas de coação dos conselhos de administração hospitalares aos enfermeiros especialistas que há duas semanas deixaram novamente de cumprir os cuidados especializados pelos quais exigem ser pagos.

É tão feio, em vez de tratarmos bem e sabermos gerir dentro das instituições os nossos enfermeiros, queridos no mundo inteiro, começarmos a ameaçá-los com protestos disciplinares", lamentou a bastonária da Ordem dos Enfermeiros.

Trata-se de "profissionais que mantêm o sistema a funcionar 24 horas por dia, que vigiam a saúde das pessoas e levam para casa menos de mil euros por mês e têm milhares de horas acumuladas", frisou.

Ana Rita Cavaco acrescentou que "o Estado nunca ajudou nem pagou" para que fizessem a formação na especialidade que desempenham, paga pelos próprios enfermeiros, tal como o título.

O Sindicato dos Enfermeiros entregou no fim de agosto um pré-aviso de greve nacional para os dias 11 a 15 de setembro pela introdução da categoria de especialista na carreira de enfermagem, com respetivo aumento salarial, bem como a aplicação do regime das 35 horas de trabalho para todos os enfermeiros.

Além da saúde materna e obstetrícia, as especialidades de enfermagem atualmente reconhecidas são a enfermagem comunitária, a médico-cirúrgica, a de reabilitação, a de saúde infantil e pediátrica, e a de saúde mental e psiquiátrica.

O pré-aviso de greve abrange todos os enfermeiros e não apenas os que têm funções especializadas.