Os Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstétrica denunciaram a existência de partos não assistidos no domicílio e grávidas de alto risco em trabalho de parto que fazem percursos de ambulância que chegam aos 60 quilómetros.

Em comunicado, citado pela Lusa, os enfermeiros especialistas, que desde o início do mês não prestam cuidados diferenciados em protesto pelo não pagamento da especialização, dizem que vão apresentar uma denúncia na Procuradoria-Geral da República, além de desejarem recorrer às entidades europeias e mundiais competentes.

Apontam também casos de grávidas com alta clínica “que são aconselhadas por médicos a recorrerem a outras maternidades pelos seus próprios meios” e dizem que as taxas de cesariana e de partos por fórceps estão a aumentar.

Os enfermeiros especialistas, que além deste protesto têm uma greve agendada para entre 31 de julho e 4 de agosto, falam também de grávidas que já ultrapassaram a data segura prevista para o parto e que “recorrem várias vezes às suas maternidades sem que seja possível recebê-las para indução de trabalho de parto” e de casos de blocos de obstetrícia encerrados, assim como de consultas e exames pré-natal não realizados.

Estes enfermeiros garantem que “a assistência de emergência nunca foi posta em causa” e que dentro das salas de parto, “mesmo sem o devido reconhecimento, as emergências obstétricas têm tido toda a assistência adequada”, mesmo por parte dos enfermeiros especialistas em protesto.

“No entanto, não nos responsabilizamos sobre as más decisões ou não-decisões do Governo de António Costa e sobre o que se passa em casa das pessoas, nos carros das pessoas ou nas ambulâncias que transportam as pessoas (…) que deviam estar internadas nas maternidades usufruindo de cuidados de saúde adequados, para os quais todos contribuímos."

Na semana passada, o Ministério da Saúde adiou para setembro a decisão sobre a alteração remuneratória dos enfermeiros especialistas, pois defende que tal medida só pode ser tomada depois de conhecidos os reais impactos das regras de descongelamento de carreiras.

Segundo a Ordem dos Enfermeiros, que apoia os profissionais neste protesto, existem cerca de 2.000 enfermeiros que, apesar de serem especialistas, recebem como se prestassem serviços de enfermagem comum.