A empresa de climatização Veolia Portugal assegura que "foram tomadas as medidas adequadas" para interromper "a possível fonte de transmissão" da doença dos legionários no Hospital São Francisco Xavier, em Lisboa. O surto de legionella, que começou a 31 de outubro, já causou cinco mortos, num total de 54 infetados.

Desde a primeira hora, por princípio de precaução, foram tomadas as medidas adequadas para interromper a possível fonte de transmissão, [tendo sido encerrada a instalação suspeita]".

Numa nota de esclarecimento, a empresa alega que as "rotinas de monitorização" dos sistemas de climatização efetuadas a edifícios como o Hospital São Francisco Xavier "estão ao nível das melhores práticas", pelo que a empresa recorreu a uma "equipa interna de técnicos internacionais" para "auxiliar no cabal esclarecimento desta situação".

A Veolia Portugal invoca que sempre esteve comprometida em "colaborar com as entidades competentes", incluindo hospital, Ministério da Saúde, Direção-Geral da Saúde, Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, Agência Portuguesa do Ambiente e Ministério Público, assinalando que desenvolverá "todos os esforços colaborativos nos processos de investigação" em curso para "apurar, com o maior rigor, o quadro do surto".

Para hoje está marcada uma conferência de imprensa em que deverão ser conhecidos os resultados das análises que indicarão o local onde foi detetada a bactéria no Hospital São Francisco Xavier. Tudo indica que a bactéria veio de uma torre de refrigeração.

O ministro da Saúde pediu anteontem "desculpa" pelo surto e prometeu o apurar "cabalmente todas as responsabilidades".