A Ordem dos Enfermeiros revelou que 2.082 enfermeiros pediram para emigrar em 2014, uma média de 5,7 por dia, sobretudo da região Sul, mas mesmo assim num número inferior aos pedidos verificados no ano anterior.

De acordo com o balanço, 2.082 enfermeiros pediram em 2014 à Ordem a «Declaração das Diretivas Comunitárias» para trabalhar no estrangeiro.

Por regiões, foi no Sul que foram feitos mais pedidos (1.009), a que se seguem o Centro (617), o Norte (345), a Madeira (82) e os Açores (29).

Em 2014 emigraram menos 17,3% enfermeiros do que em 2013 (quando se verificaram 2.516 pedidos), ano que quebrou a tendência de crescimento que se mantinha desde, pelo menos, 2010.

Com base em dados disponíveis, a Ordem dos Enfermeiros destaca que «a Europa é o destino escolhido pela esmagadora maioria dos enfermeiros que decidiram emigrar». Os países de destino são, por ordem, a Inglaterra, a França, a Bélgica, a Alemanha, a Suíça e a Irlanda.
 

«A maior parte dos que emigram são profissionais em início de carreira, já com alguma experiência. Mas também tem optado pelo estrangeiro um número substancial de enfermeiros na faixa etária dos 30/40 anos, muitos dos quais altamente especializados», destacou a OE.