O coronel piloto-aviador José Morais da Silva, ex-chefe do Estado-Maior da Força Aérea, morreu esta segunda-feira aos 73 anos, disse à Lusa fonte da Associação dos Oficiais das Forças Armadas (AOFA).

José Alberto Morais da Silva assumiu a 12 de março a chefia do Estado-Maior da Força Aérea, um dia depois da tentativa falhada de golpe de forças militares conotadas com a direita contra as instalações do Regimento de Artilharia de Lisboa (RALIS).

Ligado ao «grupo dos nove», Morais da Silva exerceu o cargo até 9 de janeiro de 1977, tendo, durante o seu mandato, enfrentado o golpe militar do 25 de novembro de 1975, quando um dispositivo militar, com base no Regimento de Comandos, se opôs a uma tentativa de sublevação de unidades militares conotadas com forças de esquerda, tendo sido decretado o estado de sítio em Lisboa.

O antigo CEMFA nasceu em Lisboa, a 21 de setembro de 1941. Tirou o curso de pilotagem aeronáutica da Academia Militar em 1960 e esteve colocado, entre 1963 e 1969, na base aérea n.º 1 (Sintra) e na já extinta base aérea n.º 2 (Ota).

Entre 1970 e 1975 esteve colocado na também já extinta base aérea n.º 12 (Bissau, Guiné-Bissau), onde foi comandante da Esquadra 121, indicam os dados biográficos fornecidos à Lusa pela Força Aérea.

Já no ano de 1974, frequentou o «Curso Geral de Guerra Aérea», na extinta Escola Superior da Força Aérea.