O ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva, afirmou esta terça-feira que os cortes no abastecimento de energia que a EDP levou a cabo no Bairro do Lagarteiro, no Porto, deveram-se a «problemas de fraude».

O ministro adiantou, durante um debate no Parlamento, que questionou a EDP sobre a interrupção no abastecimento de eletricidade, tendo sido informado que se tratou de «enfrentar problemas de fraude».

De acordo com o governante, a EDP realiza cerca de 300 a 400 ações deste género por ano, numa centena de bairros em todo o país.

Moreira da Silva garantiu que «está atento» ao cumprimento das obrigações relacionadas com a concessão deste serviço público do Estado a um operador privado. «Se se verificar que existem falhas [de fornecimento] desta empresa [EDP] ou outra concessionária estaremos atentos», salientou.

A EDP já tinha justificado anteriormente o corte de energia no Bairro do Lagarteiro, na semana passada, com «uma ação de combate à fraude», explicando que o objetivo era por fim a algumas ligações indevidas e ao fornecimento de energia a clientes que não pagaram.

A EDP Distribuição cortou ligações clandestinas de energia no bairro do Lagarteiro, no Porto, durante o dia de quinta-feira. Já na sexta-feira realizou idêntica operação no bairro de Contumil, da mesma cidade.

Ambas as intervenções foram efetuadas sob vigilância policial.