O prazo do recenseamento eleitoral está suspenso a partir de quarta-feira, tendo em conta a realização de eleições autárquicas a 29 de setembro, de acordo com a lei eleitoral.

A suspensão da atualização do recenseamento eleitoral decorre, por lei, do 60º dia que antecede cada eleição, até à realização do ato eleitoral.

Assim, a partir de quarta-feira e até à realização de eleições já não é possível aos cidadãos recensearem-se para votar nas eleições autárquicas, nem alterar as respetivas moradas.

Os cadernos só serão novamente atualizados a partir de 29 de setembro.

De 21 a 26 de agosto as listas eleitorais são expostas nas sedes das comissões recenseadoras, nas juntas de freguesia, para que possam ser consultadas e os interessados possam reclamar.

Durante este período qualquer eleitor ou partido político pode apresentar reclamação, por escrito, perante a comissão recenseadora relativamente às omissões ou inscrições indevidas, que devem ser encaminhadas no mesmo dia para a Direção Geral da Administração Interna (DGAI), de forma que esta entidade possa avaliar as reclamações em dois dias.

O Governo está a tratar estas eleições com especial cuidado devido à reforma administrativa do território, que reduziu 1.165 freguesias, levando a alterações nos cartões de eleitor de milhares de cidadãos.