A Direção Geral do Ensino Superior recebeu 478 pedidos de registo de novos cursos Técnicos Superiores Profissionais até 31 de janeiro, fim do prazo para os institutos politécnicos entregarem as propostas de formação relativas ao ano letivo 2015-2016.

«Estes novos pedidos de registo serão, nos próximos meses, analisados pela Direção Geral do Ensino Superior (DGES)», anunciou o Ministério da Educação, em comunicado enviado à Lusa. 

Estes são cursos de menor duração (dois anos) destinada apenas aos Institutos Superiores Politécnicos e escolas deste tipo de ensino integradas em instituições de ensino superior universitário.

Esta oferta teve início no ano letivo corrente, em que foram registados 94 cursos, sendo que alguns deles terão início apenas para o próximo ano letivo.

«Trata-se de uma formação com a duração de quatro semestres letivos», recorda o Ministério da Educação e Ciência (MEC), referindo que os cursos são compostos por 120 créditos e integram «uma componente de formação geral e científica, uma de formação técnica e outra de formação em contexto de trabalho, através de um estágio obrigatório com uma duração não inferior a um semestre».

Os cursos já registados envolvem 1.343 empresas e organismos que asseguram os estágios aos estudantes, de acordo com o ministério.

«Os dados recolhidos pela DGES indicam uma média de 20 empresas por cada curso a garantir estágios aos alunos formados e um total de 3.460 estágios já assegurados», afirma o MEC.

«Um dos principais objetivos destes novos cursos é atender às necessidades de formação expressas pelo mercado de trabalho nas regiões em que são ministrados, tendo uma forte ligação ao tecido empresarial local, em articulação com o ensino politécnico presente em cada região», defende o ministério.

O Governo espera, desta forma, atrair «novos públicos para o ensino superior», não só jovens como adultos, e, em particular, «os alunos oriundos do ensino profissional».

A possibilidade de continuação dos estudos para licenciatura é uma hipótese «sempre em aberto» para estes estudantes.

O Governo assumiu o compromisso de ter 35.000 diplomados em cursos Técnicos Superiores Profissionais até 2020.