Os estudantes portugueses são tão capazes de resolver problemas do dia a dia como a média da OCDE. Mas são melhores a planear e executar tarefas do que a adquirir o conhecimento necessário para as resolver. Os dados são do primeiro relatório PISA (Programme for International Student Assessment) sobre estas competências, divulgados nesta

terça-feira.

O estudo «Resolução Criativa de Problemas» fez testes em computador a 85 mil estudantes de 44 países, para medir as capacidades de alunos de 15 anos para resolver problemas como regular um termostato ou encontrar a estrada mais rápida para chegar a um destino.

Os resultados médios dos países da OCDE são de 500 pontos, sendo que Portugal somou 494 pontos. A observação de melhores capacidades de execução do que de raciocínio abstrato nos estudantes portugueses leva os autores do estudo a recomendar mais atenção no desenvolvimento dessas competências.

Como em várias outras áreas, os estudantes que apresentaram melhores resultados foram asiáticos: Singapura, Coreia, Japão, Macau e Hong Kong, por esta ordem, dominam o ranking.