“Nunca fomos avaliados em relação à qualidade dos cursos. Este é um problema meramente burocrático e o que é inconcebível é que o Ministério da Educação deixe passar tanto tempo sem dar uma resposta”, criticou Ponces de Carvalho, diretor da escola.