O Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) abriu um processo de inquérito para averiguar a situação de uma doente oncológica que esperou dois anos por uma colonoscopia, anunciou a instituição.

O «Diário de Notícias» conta que uma doente com cerca de 60 anos descobriu um cancro em estado grave depois de dois anos à espera de uma colonoscopia realizada num hospital.

Segundo o jornal, a doente fez o rastreio ao cancro colorretal e a análise foi positiva, tendo sido de imediato encaminhada para o hospital Amadora-Sintra, mas sendo chamada para consulta apenas um ano depois.

O hospital, que afirma ter «com grande preocupação» tomado conhecimento do caso, refere que o mesmo «contraria todas as boas práticas deste hospital que realiza mais de seis mil colonoscopias por ano e tem um método de referenciação que não permite que um doente sinalizado como urgente esteja mais de um mês sem realizar aquele exame».

A instituição de saúde decidiu abrir um processo de inquérito para «apurar, com rigor, o que aconteceu, para evitar que casos destes se repitam, assumindo, no entanto, toda a responsabilidade sobre eventual má prática».

«A doente em causa está em processo de tratamento no nosso hospital, estando-lhe a ser dispensados todos os cuidados que a sua situação justifica», prossegue uma nota da unidade de saúde.