Os casamentos estão a ficar mais longos e entre 2007 e 2012 a duração média passou de 14,3 para 15,7 anos, escreve o jornal «Público», com base nos números do Instituto Nacional de Estatística. Em tendência oposta surge o divórcio. A crise e os novos costumes ajudam a explicar as tendências.

Em declarações ao «Público», um advogado diz que até quando se começa a discutir o Orçamento, os divórcios abrandam. Já o procurador-coordenador na comarca de Vila Nova de Gaia avança com outra explicação: «a maior informalidade das uniões, pressupõe um menor número de divórcio».

No entanto, a crise não é alheia à duração dos casamentos e à queda dos divórcios. «A falta de dinheiro» leva a s pessoas a pensar duas vezes numa possível separação.