O Ministério da Educação e Ciência (MEC) vai pedir aos diretores escolares que respondam a um inquérito que permita aferir a sua «sensibilidade aos problemas do ano passado» com os concursos de professores, adiantaram as associações de diretores.

O inquérito, que deverá chegar aos diretores escolares até final de janeiro, já foi «testado» pelos responsáveis das duas associações de dirigentes escolares e «visa recolher informação ao processo de colocação de professores em 20014-2015», incluindo a Bolsa de Contratação de Escola (BCE), na origem de vários erros de colocação de docentes e de atrasos no início do ano letivo a algumas disciplinas para milhares de alunos.

Questionado pela Lusa o MEC adiantou apenas que «tem vindo a desenvolver um conjunto de procedimentos internos, também relacionados com os concursos de professores, tendo em vista a preparação atempada do próximo ano letivo».

Na reunião com a nova diretora geral da Administração Escolar, em dezembro, os representantes da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP) e Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), puderam, por exemplo, responder a questões sobre as aplicações informáticas, a sua simplicidade e clareza, ou sobre a eficácia da resposta da Direção Geral da Administração Escolar (DGAE) aos problemas detetados.

Para Manuel Pereira, presidente da ANDE, o inquérito não é de grande interesse para as escolas e diretores, e é apenas «útil do ponto de vista da administração escolar».

De acordo com o presidente da Assembleia Geral da ANDAEP, Adelino Calado, que reuniu em nome desta associação com a DGAE, o teste ao modelo de inquérito permitiu detetar «duas ou três perguntas que não faziam sentido para os diretores, porque só a administração teria resposta para elas», para além de permitir sugestões de melhoria.

A ANDAEP sugeriu um novo modelo de BCE, tendo por base aquele que foi usado nos concursos de 2013, introduzindo-lhe apenas algumas alterações.

Adelino Calado defende que o modelo de uma lista ordenada de professores é o que melhor serve os interesses das escolas, e o que cria menos problemas, mas em vez de apenas serem libertadas às escolas tranches de cinco nomes de candidatos para entrevistas, a associação defende que estas devem ter 20 candidatos, poupando tempo aos diretores, e alargando a margem de probabilidade de encontrar um candidato adequado às funções.

«Foi a primeira vez que a DGAE quis ouvir os diretores e isso é excelente», declarou o dirigente da ANDAEP.

De acordo com o responsável associativo, a nova diretora-geral mostrou-se ainda «muito sensível» para o calendário proposto pela ANDAEP para fechar turmas e colocar professores para o próximo ano letivo.

A associação quer que as escolas enviem para os serviços do MEC a lista de turmas a abrir no próximo ano letivo até ao final de maio, início de junho, de forma a permitir que a DGAE tenha a rede escolar fechada até final de julho e que os professores possam ser colocados até 31 de agosto.