Mais de 40 mil cães e gatos errantes foram recolhidos em 2017 pelos serviços municipais em Portugal continental e nos Açores, revelam dados publicados pela Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

Os dados, divulgados no portal da DGAV, reportam-se ao relatório anual sobre animais nos Centros de Recolha Oficial, previstos numa legislação em vigor desde setembro de 2016.

De acordo com o relatório, solicitado pelo partido PAN - Pessoas, Animais e Natureza, 40.674 cães e gatos foram recolhidos em 2017, a maioria na região Norte (14.531).

Segundo as estatísticas, que não incluem informação sobre a Região Autónoma da Madeira, 16.144 animais foram adotados, 11.819 eutanasiados, 8.873 esterilizados e 98.266 vacinados (estes últimos números incluem os animais recolhidos e vacinados nos centros e os vacinados no continente na campanha oficial contra a raiva).

A região Norte lidera a lista de maior número de animais adotados (4.834), eutanasiados (5.090) e vacinados (41.257).

Mas, por comparação com regiões com menos cães e gatos recolhidos, o Norte é a região que esterilizou menos animais (522).

O Alentejo e o Algarve foram as regiões com menos animais adotados, respetivamente 649 e 780.

A lei, em vigor desde setembro de 2016, prevê medidas para a criação de uma rede de Centros de Recolha Oficial de animais e proíbe o abate para controlo da população.

Os Centros de Recolha Oficial têm um ano, a contar da data de entrada em vigor da legislação, para aplicar "as condições técnicas para a realização da esterilização nos termos legais e regulamentares previstos".