Cerca de uma centena de brasileiros estão a manifestar-se esta quinta-feira defronte das instalações da Faculdade de Direito de Lisboa (FDL), onde decorre um seminário sobre o Brasil, protestando contra a tentativa de destituição da Presidente Dilma Rousseff.

No segundo protesto em três dias - o primeiro ocorreu na terça-feira no mesmo local e com os mesmos objetivos, juntando, então, cerca de meia centena de brasileiros -, estão ser gritadas palavras de ordem, contra a "tentativa de golpe Estado" e contra a presença no seminário de Aécio Neves e José Serra, ambos do Partido da Social Democrata Brasileira (PSDB, oposição),

Os cartazes são idênticos aos empunhados na terça-feira - "no meu país não tem lugar para golpistas e fascistas", "democracia sim, golpe não" ou "no país de abril, golpismo não passará", entre outros -, e os cânticos também - "a verdade é dura, a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) apoiou a ditadura", "não vai ter golpe", "Gilmar fascista não passará", "Serra ladrão respeite a Constituição" ou "o pré-sal é nosso".