Um hotel do Porto desencadeou este sábado tratamento da rede predial de águas por suspeita de contaminação pela bactéria da Doenças dos Legionários, mas a iniciativa não tem relação com os casos registados recentemente na região Norte, informou fonte oficial.

Em declarações à Lusa, o diretor-geral de Saúde, Francisco George, confirmou que um hotel do Porto desencadeou “procedimentos que visam tratar a respetiva rede predial de águas, atendendo à suspeita de contaminação pela bactéria da Doença dos Legionários”.

A iniciativa levada a cabo no hotel da cidade do Porto não está, todavia, relacionada com os 12 casos identificados com a Doença dos Legionários na região de saúde do Norte no último mês e meio, assegurou Francisco George.

“Esta iniciativa não está relacionada com os 12 casos da Doença dos Legionários relatados recentemente.”


O diretor-geral da Saúde sublinhou a distinção entre Doença dos Legionários, de eventual colonização da água por bactérias”.

Apesar de sublinhar que não há uma relação causa/efeito entre a situação do hotel do Porto e os doentes notificados no Grande Porto, o diretor-geral da Saúde confirma que os dois casos de internamento “continuam a evoluir de forma positiva”.

No último mês e meio foram registados 12 casos da Doença dos Legionários em pessoas residentes na região de saúde do Norte.

Dos 12 casos identificados, e de acordo com a informação epidemiológica disponível, há duas pessoas que estiveram fora do país durante o período provável de ocorrência da infeção.

Os restantes dez casos com a doença dos Legionários ocorreram em pessoas residentes na região do Grande Porto.

Das 12 pessoas residentes na região Norte que têm a Doença dos Legionários, duas estão internadas, não há mortes a registar e a situação não é comparável ao surto de 2014 em Vila Franca de Xira, informou a DGS.

Em novembro de 2014, um surto de legionela em Vila Franca de Xira causou 12 mortes e infetou 375 pessoas com a bactéria da 'legionella'.